Melhorar a lucratividade, fidelizar pacientes, aprimorar o relacionamento com os profissionais de saúde e melhorar a gestão da distribuição das amostras grátis são alguns dos mais importantes desafios da indústria farmacêutica.

A cada ano, a indústria passa por maiores desafios na hora de defender seus planos de marketing, estes desafios exigem dos seus executivos mais criatividade na alocação de recursos: incluindo a distribuição de amostra grátis, onde raramente, o gerente de produto abre mão deste instrumento que deve ser usado para gerar experimentação do produto.

Repensando a amostra grátis

Até então, a indústria sempre trabalhou com o conceito de amostra grátis como parte do relacionamento médico e para estimular a prescrição e início de tratamento, entretanto, com este modelo, fica difícil avaliar os resultados da experimentação, e a continuidade do tratamento pelo paciente ou impacto das vendas no final da cadeia.

Se um médico, por exemplo, ficou com três caixas de um medicamento e deu essas amostras para três pacientes distintos, dificilmente, ele consegue fazer o acompanhamento do uso da medicação, pedindo para o paciente retornar no mês seguinte para avaliar o comportamento do medicamento prescrito. Em algumas vezes, sabemos que o prescritor utiliza a amostra como “ajuda financeira” ao paciente, fazendo com que seja descaracterizado o uso dela como experimentação e ativação de uma compra daquele produto no canal.

PDV como início do tratamento

Uma das novidades do mercado é um novo modelo para início de tratamento em que o PDV se torna peça chave.

Quando pensamos em engajar o médico ou qualquer outro profissional da saúde para garantir a prescrição de medicamentos, deve-se ter em mente que o engajamento requer um conjunto de ações, mas oferecer uma amostra ou desconto atraente de um determinado produto, continua sendo parte da estratégia.

Porém, pode-se fazer a dispensação do medicamento de forma mais inteligente, disponibilizando o acesso a uma dose do medicamento ou a um kit para que o paciente retire o produto diretamente no PDV é uma delas. E essa é a proposta desse novo modelo.

Como funciona

Nessa prática, a proposta é que o médico autorize o paciente a retirar o primeiro medicamento de seu tratamento de maneira bonificada, onde o paciente pode ganhar o primeiro produto ou obter um desconto significativo (com mais de 50%, por exemplo).

Além de ser mais vantajosa para a indústria, essa estratégia gera comprovadamente um relacionamento eficaz com a classe médica. Outra vantagem é que, registrando a retirada,  vai ajudar a indústria a identificar o destino de cada medicamento.

Quando você passa a usar o modelo de liberação e dispensação de início de tratamento pela farmácia, logo de início, os laboratórios já têm benefícios importantes:

  • Mais controle dos tratamentos iniciados pelos médicos e seus resultados.
  • Otimização dos custos relacionados à produção deste modelo de produto grátis. Ampliando sua capacidade de investir em outras ações.
  • Melhoria de custos com envio e armazenamento de amostras para sua equipe de promoção médica.

Ou seja, a sua base de controle da situação passa a ser muito mais precisa e eficiente.

Mas não se esqueça, para que a estratégia de potencializar e aprimorar o relacionamento com a classe médica dê certo, é fundamental que sua indústria conte com um parceiro que tenha uma equipe de visitação preparada para disseminar este modelo inovador e integração com distribuidores e PDVs em todo Brasil para garantir a disponibilidade dos produtos.

O Grupo InterPlayers está preparado com a solução certa para lhe ajudar nessa etapa e é pioneiro deste modelo de dispensação de início de tratamento. Vamos conversar?